Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
ADUBAÇÃO POTÁSSICA<br />GUSTAVO AVILA<br />
1-INTRODUÇÃO<br /> Potássio<br /><ul><li>As adubações potássicas devem ser realizadas conforme dados de análises químicas ...
O potássio (K) é o segundo elemento mais requerido pela cultura da soja.
1 tonelada de grãos a soja exporta aproximadamente 17 kg de K (Cantarella et al., 1996).</li></li></ul><li>POTÁSSICOS<br /...
A baixa disponibilidade de potássio <br />Sem o aparecimento visual da deficiência <br />Causa a “fome oculta” --- a reduç...
Quando a deficiência é mais severa<br />Aparecimento dos sintomas visuais começa com um mosqueado amarelado nas bordas dos...
Sintoma e Deficiência<br /><ul><li>Evita o acamamento e aumenta a resistência do Tecído;
 Afeta a produção de amido, açucar e proteínas;
Maior vigor e resistência ás doenças;
Diminui o número de grãos “chochos”;
Maior resistência a seca e a geada;</li></li></ul><li>Diagnose Foliar<br />Tabela de concetração de nutrientes, usadas na ...
Amostragem de folhas <br />A seguinte recomendação é feita por Small e Ohlrogge (1973) quanto à época e a folha a ser amos...
3-Diagnose foliar<br />Tabela de concentração de nutrientes<br />
Composição e solubilidade dos fertilizantes potássicos<br />1 Numeros de partes solubilizadas em 100 partes de H2O. 2 É o ...
Potassio no solo<br />O potássio no solo é absorvido em grandes quantidades pelas plantas. (apenas o N é superior ao Potás...
Potassio no solo<br />Potássio não disponível Þ É encontrado em minerais (rochas). É liberado à medida que os minerais do ...
Formas de Potássio no solo<br />K estrutural – 90% a 98%<br />K “fixado” nas camadas das argila expansivas do tipo 2:1<br ...
IMPORTANCIA NA PLANTA<br />Cres. Meristematico<br />Potássio<br />Ativação de várias enzimas<br />Fitohormônios<br />Aber....
Importancia da Calagem <br />Fornece mais sitios de troca para retenção do K<br />Isto porque a calagem promove o aumento ...
Importancia da Calagem <br />Segundo, Castro e Meneghelli (1989), avaliando a relação K, Ca e Mg, concluíram que os teores...
 Época de maior absorção e aplicações de K<br />Nas culturas anuais a adubação  é feita no plantio e em cobertura;<br />K+...
Aspecto de deficiência<br />
Aspecto de deficiência<br />Sintoma de deficiência de potássio em planta de soja no fim do ciclo, com vagens com poucas se...
Potassagem quando fazer<br />Em relação ao teor de K do solo, concluiu-se que se o teor de K for < 0,10 cmolc dm-3 a soja ...
Que Dose Usar<br />Para se obter produtividade de 2.500 a 3.000 kg/ha, adubação corretiva de 150 a 200 kg de K2O/ha, mais ...
Vantagens<br />Maior vigor e resistência às doenças; <br />Evita o acamamento e aumenta a resistência do tecido;<br />Dimi...
Adubação corretiva <br />> Consumo 	Taxa Vegetativa = 1,20 Kg ha-1 /dia <br />60 % Colheita<br />28 kg de K<br />1000 kg d...
Adubação corretiva <br />De acordo com a analise quimica do solo ; Solos com CTC a pH 7,0 menor do que 4,0 cmol­c/dm3; Sol...
Adubação de Potássio para o estado de Minas Gerais <br />Fontes : Novais (1999) e Embrapa (2006b)<br />Adubação mineral de...
Resposta da Cultura<br />Alta demanda pela cultura média de 6,64 kg de K/dia;<br />Demanda pela produção do teor de Óleo n...
Avaliação Economica<br /> A adubação corretiva só deve ser considerada se a área vier a ser cultivada por um prazo de 5 an...
AvaliaçãoEconomica<br />No entanto as produtividades foram crescentes conforme se aumentou as doses de potássio em cobertu...
AvaliaçãoEconomica<br />Conclusão<br /><ul><li>Aplicação de potássio em cobertura aumenta a produtividade da soja de forma...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×
Upcoming SlideShare
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

6

Share

Download to read offline

Adubação Potassica Soja

Download to read offline

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Adubação Potassica Soja

  1. 1. ADUBAÇÃO POTÁSSICA<br />GUSTAVO AVILA<br />
  2. 2. 1-INTRODUÇÃO<br /> Potássio<br /><ul><li>As adubações potássicas devem ser realizadas conforme dados de análises químicas do solo e análise química foliar para posteriormente avaliação nutricional da cultura (Embrapa, 1999).
  3. 3. O potássio (K) é o segundo elemento mais requerido pela cultura da soja.
  4. 4. 1 tonelada de grãos a soja exporta aproximadamente 17 kg de K (Cantarella et al., 1996).</li></li></ul><li>POTÁSSICOS<br />- Fontes econômicas: camadas sedimentares de sal, remanescentes de antigos mares interiores (depósitos evaporativos), ou em lagos de sal e salmouras naturais.<br />- O potássio é extraído de minerais, sendo mais comuns: <br />Silvita (KCl)<br />Silvinita (KCl + NaCl) <br />Hartsaltz (depósitos de mineral com sais de sulfato) <br />Langbeinita (K2SO4.MgSO4)<br />
  5. 5. A baixa disponibilidade de potássio <br />Sem o aparecimento visual da deficiência <br />Causa a “fome oculta” --- a redução na taxa de crescimento da planta com redução da produção.<br />
  6. 6. Quando a deficiência é mais severa<br />Aparecimento dos sintomas visuais começa com um mosqueado amarelado nas bordas dos folíolos das folhas da parte inferior da planta.<br />
  7. 7. Sintoma e Deficiência<br /><ul><li>Evita o acamamento e aumenta a resistência do Tecído;
  8. 8. Afeta a produção de amido, açucar e proteínas;
  9. 9. Maior vigor e resistência ás doenças;
  10. 10. Diminui o número de grãos “chochos”;
  11. 11. Maior resistência a seca e a geada;</li></li></ul><li>Diagnose Foliar<br />Tabela de concetração de nutrientes, usadas na interação dos resultados de análise de folha<br />
  12. 12. Amostragem de folhas <br />A seguinte recomendação é feita por Small e Ohlrogge (1973) quanto à época e a folha a ser amostrada:<br /> (1). cultivares de crescimento determinado: no início do florescimento, antes do aparecimento visível das vagens;<br /> (2). cultivares de crescimento indeterminado: no meio do período de florescimento; <br />(3). em ambos os casos, coletar 30 a 50 trifólios recentemente maduros, em geral o terceiro ou quarto trifólio de cima para baixo, sem o pecíolo.<br />
  13. 13. 3-Diagnose foliar<br />Tabela de concentração de nutrientes<br />
  14. 14. Composição e solubilidade dos fertilizantes potássicos<br />1 Numeros de partes solubilizadas em 100 partes de H2O. 2 É o aumento de pressão osmotica da solução do solo provcada pela salinidade do adubo.<br />
  15. 15. Potassio no solo<br />O potássio no solo é absorvido em grandes quantidades pelas plantas. (apenas o N é superior ao Potássio).<br />Em solos cultivados é encontrados em quantidade de 7 a 15.000 Kg/ha, mas desse total só 1 a 2% (70 a 300 kg) encontra-se soluvel.<br />
  16. 16. Potassio no solo<br />Potássio não disponível Þ É encontrado em minerais (rochas). É liberado à medida que os minerais do solo são intemperizados (lenta).<br />Potássio disponível ÞÉ formado pelo K encontrado na solução do solo mais o K adsorvido, em forma trocável, pela matéria orgânica e pela argila do solo.<br />Potássio lentamente disponível Þ É aquele “fixado” ou retido entre as lâminas de certas argilas do solo.<br />
  17. 17. Formas de Potássio no solo<br />K estrutural – 90% a 98%<br />K “fixado” nas camadas das argila expansivas do tipo 2:1<br />K trocável – 1% a 8%<br />K ligado as cargas negativas da CTC do solo, disponível para suprir a solução do solo.<br />K em solução – 0,1% a 0,2%<br />ligado as cargas negativas da CTC do solo, disponível para suprir a solução do solo.<br />
  18. 18. IMPORTANCIA NA PLANTA<br />Cres. Meristematico<br />Potássio<br />Ativação de várias enzimas<br />Fitohormônios<br />Aber. e Fech. dos estômatos<br />
  19. 19. Importancia da Calagem <br />Fornece mais sitios de troca para retenção do K<br />Isto porque a calagem promove o aumento das concentrações de Ca e Mg do solo, relativamente a do K, podendo reduzir a absorção de pelas raízes e provocar sua deficiência GOEDERT et al., 1975, citado por OLIVEIRA et al., 2001).<br />Pois a disponibilidade de K no solo e a sua absorção estar relacionadas com a disponibilidade de Ca e Mg no solo (OLIVEIRA et al., 2001). <br />
  20. 20. Importancia da Calagem <br />Segundo, Castro e Meneghelli (1989), avaliando a relação K, Ca e Mg, concluíram que os teores de K isolados no solo não dão uma informação correta das necessidades de adubação potássica.<br />Doses elevadas de potássio diminuira a absorção de Ca/Mg <br />
  21. 21. Época de maior absorção e aplicações de K<br />Nas culturas anuais a adubação é feita no plantio e em cobertura;<br />K+<br />O adubo não deve entrar em contato com a semente ou com a muda;<br />Considerando-se que a maior taxa de absorção de K dá-se na fase vegetativa, em período compreendido entre 44 e 63 dias após emergência<br />As aplicações em cobertura e parcelada realizadas aos 30 dias após o plantio poderiam proporcionar aumento na Produtividade. <br />
  22. 22. Aspecto de deficiência<br />
  23. 23. Aspecto de deficiência<br />Sintoma de deficiência de potássio em planta de soja no fim do ciclo, com vagens com poucas sementes e frutos partenocárpicos, sem possibilidade de colheita<br />Sintoma de deficiência de potássio em planta de soja, com retenção foliar e haste verde, sem possibilidade de colheita<br />
  24. 24. Potassagem quando fazer<br />Em relação ao teor de K do solo, concluiu-se que se o teor de K for < 0,10 cmolc dm-3 a soja não pode ser cultivada sem adubação corretiva e de manutenção<br />Quanto ao teor de K de folhas do terço superior na época da floração K < 12,59 g kg-1 e que há grande probabilidade de haver limitação na produção de grãos<br />K+ Acima de 50 kg ha-1 ou quando o teor de argila for < 40%, fazer a adubação de 1/3 da quantidade total indicada na semeadura e 2/3 em cobertura, 30 a 40 dias ápos a semeadura. <br />
  25. 25. Que Dose Usar<br />Para se obter produtividade de 2.500 a 3.000 kg/ha, adubação corretiva de 150 a 200 kg de K2O/ha, mais adubação de manutenção de 80 kg de K2O/ha.ano.<br />Teor de K<br />(*) Após atingir o nível de K acima desse valor, recomenda-se uma adubação de manutenção de 20 kg de K2O/t de grãos de soja.<br />
  26. 26. Vantagens<br />Maior vigor e resistência às doenças; <br />Evita o acamamento e aumenta a resistência do tecido;<br />Diminui o número de grãos"chochos";<br />Maior resistência a seca e a geada<br />Desvantagens<br />Indíce Salino Alto com doses acima de 100 Kg/ha de KCl<br />Se o KCl próximo da semente a germinação poderá ficar prejudicada;<br />Afeta a produção de amido, açúcar e proteínas;<br />Adubações com doses elevadas de KCl podem induzir o aparecimento de sintomas de toxidez, caracterizado-se por queima dos bordurasdas folhas pelo íon cloro.(MASCARENHAS et. ali,. 1976)<br />
  27. 27. Adubação corretiva <br />> Consumo Taxa Vegetativa = 1,20 Kg ha-1 /dia <br />60 % Colheita<br />28 kg de K<br />1000 kg de sementes <br />40% M.O<br />o que é importante do ponto de vista econômico e ambiental. <br />Solos com textura média e arenosa <br />Teores de K disponivel tendem a declinar rapida mente com as sucessivas colheitas<br />
  28. 28. Adubação corretiva <br />De acordo com a analise quimica do solo ; Solos com CTC a pH 7,0 menor do que 4,0 cmol­c/dm3; Solos com CTC a pH 7,0 maior ou igual a 4,0 cmolc /dm3, Nesse caso, recomenda-se o parcelamento para a doses acima de 40 kg/ha de K2O ou sua aplicação a lanço. Doses de potássio acima de 100 kg/ha de K2O, indepedentemente da CTC do solo, devem ser, preferencialmente, parceladas ou aplicadas a lanço.<br />Fonte adaptado de Sousa & Lobato (1996). <br />
  29. 29. Adubação de Potássio para o estado de Minas Gerais <br />Fontes : Novais (1999) e Embrapa (2006b)<br />Adubação mineral de semeadura de soja para o estado de Sao Paulo.<br />Fonte: Mascarenhas e Tanaka (1996)<br />
  30. 30. Resposta da Cultura<br />Alta demanda pela cultura média de 6,64 kg de K/dia;<br />Demanda pela produção do teor de Óleo no Grão;<br />K+ <br />Deficiência K inibe o transporte de carbohidratos; <br />Resistencia a pragas e doenças;<br />Varias Funções Ezimaticas;<br />
  31. 31. Avaliação Economica<br /> A adubação corretiva só deve ser considerada se a área vier a ser cultivada por um prazo de 5 anos com culturas anuais que tenham potencial de resposta ao fosforo, como o milho, soja, feijão e trigo. <br />
  32. 32. AvaliaçãoEconomica<br />No entanto as produtividades foram crescentes conforme se aumentou as doses de potássio em cobertura, apresentando uma curva linear crescente dentro das doses utilizadas no experimento (Gráfico 1).<br />
  33. 33. AvaliaçãoEconomica<br />Conclusão<br /><ul><li>Aplicação de potássio em cobertura aumenta a produtividade da soja de forma crescente dentro dos valores de doses recomendadas.
  34. 34. Assim para a expectativa de produção for de 3000 kg/ha de grãos, deve se aplicar 60 kg de K2O/ha, pois a soja exporta cerca de 20 kg de K2O em cada toneladas de grãos.
  35. 35. Para cada quilo de K2O aplicado ao solo a soja produzirá 8,4 Kg de grãos a mais do que o solo sem adução potássica ou seja um lucro de 11 scs de soja / ha.</li></li></ul><li>Pela atenção obrigado !<br />Gustavo Ávila<br />avilagustavo@dag.ufla.br<br />
  • RafaelSacone

    Jun. 14, 2018
  • AgroHaze

    Nov. 6, 2017
  • mariaizadoraoliveira

    Jun. 29, 2016
  • cristiano1992

    Feb. 13, 2016
  • maxwilliamdasilva5

    Oct. 17, 2014
  • agrdaniel

    Sep. 3, 2014

Views

Total views

21,787

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

9

Actions

Downloads

636

Shares

0

Comments

0

Likes

6

×